Comunicação

21/08/2013

Sinduscon/JP e SENAI lançam campanha de atração de mão de obra para construção civil

Clique aqui para visualizar os cursos oferecidos pelo SENAI para o setor

Para estimular o ingresso de mais profissionais na construção civil, uma campanha publicitária foi produzida pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon-JP),mostrando as oportunidades para quem se capacita e ingressa no segmento. A campanha publicitária “Estrelas da Construção”, traz casos de reais de pessoas que trabalham no setor e melhoram de vidas.  Os personagens são um mestre de obras que sustentou a família e formou filhos em cursos de nível superior; um técnico de segurança do trabalho, alfabetizado no canteiro de obras e que depois o curso para a função atual e a jovem que trocou o trabalho de panfletagem por um curso de pedreira na escola do Senai  e se profissionalizou.

A campanha obteve apoio da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP), que vem ampliando o acesso à educação profissionalizante, através da Escola da Construção Civil do Senai, em Bayeux (PB), que tem 30 cursos para quem terminou o ensino médio.

“Entre os associados do Sinduscon-JP há uma demanda grande de mão de obra qualificada. Como estamos ofertando salários melhores que outras categorias, resolvemos fazer esta campanha de valorização do canteiro de obras e da construção civil como ambiente de trabalho. Este setor tem muitas oportunidades a oferecer e permite a evolução”, afirma o presidente do Sinduscon-JP, Fábio Sinval, ressaltando que há ainda preconceito contra o trabalho na construção civil, no entanto, existe uma mudança no setor, com mais mecanização, que torna o ambiente organizado e seguro.

Esta semana, na Escola da Construção Civil do Senai, em Bayeux (PB), estavam sendo ministrados cursos de automação predial, assistente administrativo industrial, construção residencial, assistente de gerenciamento de obra, eletricista instalador, eletricista industrial, pedreiro de edificação, pintor de obras,pedreiro, aplicador de revestimento cerâmico, carpinteiro de obras, armador de ferro e CAD-2D. Todas as turmas somavam juntas 274 pessoas em busca de qualificação para atuar na construção civil. Deste total, 88 são mulheres.

Carência de mão de obra - Desde 2011, que o setor da construção civil vem se ressentido da falta de profissionais qualificados e em quantidade suficiente para atender ao crescimento mercado da construção, em função dos programas governamentais com obras públicas de grande porte; das obras dos estádios de futebol e o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, além do financiamento do imóvel para a classe média, o que motivou as empresas incorporadoras a investirem em mais construção de moradias.

A Pesquisa Anual da Indústria da Construção (PAIC), do IBGE, revelou que, naquele ano, o número de pessoas ocupadas na construção cresceu 7,7% (190 mil pessoas), em relação ao ano anterior. O salário médio mensal era de R$ 1.437,00, ficando 3,8% acima da média de 2010, que era R$ 1.305,00. Naquele ano, 92,7 mil empresas realização incorporações, obras e serviços no valor de R$ 286,6 bilhões, representando uma alta de 4,5%, em comparação com 2010.

Nas redes sociais - A campanha publicitária será veiculada em televisão e, simultaneamente, nas redes sociais, com atualizações constantes. Também haverá panfletagem em agências de emprego, pontos de ônibus e escolas de formação profissional. Cartazes serão afixados em locais de grande circulação e nos ônibus. Quem estiver interessado em trabalhar no setor pode procurar a escola da construção, em Bayeux .



©2013. Todos os Direitos Reservados